svg

100% saúde, 100% você!

    MACONHA DANIFICA CÉREBROS JOVENS

    DROGAS / 26 de junho de 2020

     

    É tentador pensar que a maconha é uma substância inofensiva que não representa ameaça para adolescentes e adultos jovens. Os fatos médicos, no entanto, revelam uma realidade diferente.

    Numerosos estudos mostram que a maconha pode ter um impacto deletério sobre o desenvolvimento cognitivo em adolescentes, prejudicando a função executiva, a velocidade de processamento, a memória, o tempo de atenção e a concentração. O dano é mensurável com um teste de QI. Pesquisadores que rastrearam participantes desde a infância até os 38 anos encontraram um declínio consequente do QI no período de 25 anos entre os adolescentes que usavam maconha de forma consistente a cada semana. Além disso, estudos mostraram que a exposição substancial de adolescentes à maconha pode ser um preditor de distúrbios de uso de opioides.

     

    A razão pela qual o cérebro adolescente é tão vulnerável ao efeito das drogas é que o cérebro– especialmente o córtex pré-frontal, que controla a tomada de decisão, julgamento e impulsividade – ainda está se desenvolvendo em adolescentes e adultos jovens até os 25 anos.

    Além disso, os pesquisadores agora têm uma boa compreensão de como a maconha, em particular, afeta o cérebro. O químico da maconha responsável por produzir elevação e relaxamento do humor, o THC, interfere na troca de informações entre os neurônios. A exposição regular ao THC em adolescentes pode alterar permanentemente as neuropatias relacionadas à cognição, incluindo aprendizado, atenção e respostas emocionais. Em alguns adolescentes, também pode levar à dependência de longo prazo.

     

    É por isso que a Academia Americana de Pediatria alertou contra uso médico e recreativo da maconha por adolescentes. (Em adultos, algumas formas medicinais de THC são aprovadas para indicações específicas, como náusea causada por quimioterapia antineoplásica. O principal componente não psicoativo da maconha, o CBD, foi medicamente aprovado para tipos específicos de epilepsia e outros usos.)

     

    O risco que o uso de maconha representa para os adolescentes hoje é muito maior do que era 20 ou 30 anos atrás, porque a maconha cultivada agora é muito mais potente. No início dos anos 90, o conteúdo médio de THC da maconha confiscada era de aproximadamente 3,7%. Por outro lado, uma análise recente da maconha para venda nos dispensários autorizados do Colorado mostrou um teor médio de THC de 18,7% .

     

    As propostas para legalizar a maconha em consideração em Nova York e Nova Jersey permitem o uso a partir dos 21 anos. Enquanto a sociedade pode considerar um jovem de 21 anos como adulto, o cérebro ainda está se desenvolvendo nessa idade. Os estados que legalizam a maconha devem estabelecer uma idade mínima de não menos de 25 anos. Eles também devem impor limites mais estritos aos níveis de THC e monitorá-los rigorosamente. Campanhas educacionais também são necessárias para ajudar o público a entender que a maconha não é inofensiva.

     

    Simplesmente porque a sociedade se tornou mais tolerante com o uso da maconha, isso não a torna segura para alunos do ensino médio e da faculdade. O cigarro e o álcool, ambos legais, causaram grande dano à sociedade, bem como à saúde das pessoas, e arruinaram muitas vidas. A maconha pode fazer o mesmo. Temos de regulamentar rigorosamente a emergente indústria da cannabis para proteger o cérebro em desenvolvimento.

     

    Fonte:  amorexigente.org

    Deixe seu comentário: